CAPITULO 74: Farmacodermias

Praticamente todos os medicamentos são capazes de promover alterações em diversos órgãos e sistemas. Porém as reações cutâneas estão entre as mais freqüentes reações adversas relacionadas às drogas. As erupções medicamentosas assumem quase todos aspectos clínicos, desde lesões solitárias até quadros generalizados e, por vezes, fatais.

Cabe ao dermatologista conhecer todos os tipos de doenças dermatológicas bem como reconhecer os tipos de reações medicamentosas existentes e o comportamento(reação) mais provável de uma droga na pele. As reações cutâneas medicamentosas são cada vez mais freqüentes, porém o tratamento e o auxílio hoje são mais efetivos. Muitas mortes ocorrem por uso de drogas. Assim tornase primordial o estudo e o conhecimento dos vários mecanismos que promovem estas reações e quais os tipos mais freqüentes de erupções que cada medicamento promove. O objetivo primordial do conhecimento das farmacodermias é o diagnóstico precoce da reação e sua interrupção imediata, para evitar que ocorram complicações indesejadas.

DEFINIÇÃO

As Farmacodermias são também conhecidas como Erupções por Drogas ou Reações Medicamentosas.

Entendese por farmacodermias as doenças tegumentares (pele e/ou mucosas) e/ou sistêmicas, produzidas direta ou indiretamente pelo uso de medicamentos, introduzidos no organismo por ingestão, injeção, inalação, instilação ou contato.

INCIDÊNCIA DE REAÇÕES CUTÂNEAS

A pele é um dos órgãos mais afetados por reações adversas a drogas.

As erupções cutâneas medicamentosas são observadas em 0,11 % da maioria dos estudos realizados com a ingestão de medicamentos sistêmicos(1).

As farmacodermias estão entre as poucas situações de emergência em que o dermatologista é solicitado e infelizmente pode levar a morte.

De todas internações hospitalares 38% são resultantes de reações adversas a drogas(2).

Antes das drogas serem utilizadas como agentes terapêuticos sua segurança e eficácia devem ser estabelecidas. Porém estes estudos são relativamente pequenos e utilizam apenas um agente por limitado período de tempo. Além disto as reações cutâneas podem ser resultado de interação entre drogas diferentes, o que dificulta a identificação do agente responsável em diversos estudos. Embora estas reações são comuns, existem poucos mecanismos para documentar sua incidência, seriedade e efeitos definitivos a saúde. Poucas informações sobre estas informações estão disponíveis devido a diversos fatores: gravidade, risco e urgência da situação; dificuldade na identificação e comprovação científica, pois na maioria das vezes o único dado disponível sobre estas reações, são a história clínica(com a óbvia referência do provável agente medicamentoso) e o exame dermatológico. Muitos estudos de revisão de morfologia e agente precipitante foram feitos em milhares de pacientes internados em hospitais ou em departamentos de dermatologia por múltiplos anos, afim de reconhecer quais agentes poderiam causar determinada manifestação dermatológica. A partir disto classificouse diversas reações relacionados a determinados medicamentos, mas ainda assim todas estas classificações ou consensos não foram suficientes para determinar e/ou especificar uma farmacodermia.

Mecanismo das Farmacodermias

As Farmacodermias ou Erupções Cutâneas por Drogas podem ser desencadeadas por mecanismos Imunológicos e Não Imunológicos(mais freqüentes).

As reações imunológicas podem ser ativadas por diversas vias. A aparência clínica da lesão é geralmente de pouca ajuda na determinação da responsabilidade da droga ou do mecanismo patogênico. Sendo assim o mecanismo das reações cutâneas induzidas por drogas podem ser divididas da seguinte maneira:

1 Mecanismos Imunológicos 2 Mecanismos Não Imunológicos

1 Mecanismos Imunológicos:

Reações imunológicas às drogas:

Vários fatores estão envolvidos na capacidade da droga em iniciar uma reação imunológica. São eles:

  • Características moleculares da droga;
  • Via de administração;
  • Metabolismo individual;
  • Capacidade genética;
  • Idade do paciente.

Tipos Podem ser de quatro tipos. Todos os tipos de hipersensibilidade descritos por Gell e Combs estão representados nas farmacodermias. Os três primeiros tipos estão relacionados com a imunidade humoral e

o quarto tipo com a imunidade celular.

  • Reações a drogas IgE dependentes(Tipo I): Reações:Urticária, Angioedema e Anafilaxia. Agentes mais freqüentes: Analgésicos, aminopirinas, penicilina e soros.
  • Reação citotóxica induzida por droga(Tipo II): Reações: anemia hemolítica induzida pela penicilina, plaquetopenia produzida pela sulfa, anemia hemolítica autoimune provocada pela metildopa.

• Imunocomplexos dependentes de reações medicamentosas(Tipo

III ): Reações: Vasculite, alguns tipos de urticária e doença do soro pela penicilina. Agentes mais freqüentes: Penicilina.

• Celular retardada ou reação celular provocada por drogas(Tipo

IV ): Reações: Exantematosas, dermatite de contato, fixas, erupções liquenóides, Síndrome de StevensJohnson(SSJ) e Necrólise Epidérmica Tóxica(NET). Agentes mais freqüentes:penicilinas,sulfas, dipirona,etc, descritas adiante nas patologias citadas referentes ao tipo IV. A reação tipo IV também é chamada de hipersensibilidade retardada, pois o pico da reação ocorre 4872 após o uso medicamentoso. Muito importante ressaltar que a Classificação de Gell e Combs é uma forma prática e simplificada para enquadrar estas diversas reações imunológicas, porém estes tipos podem interagir entre si ora colaborando, ora no sentido do antagonismo.

2 – MECANISMOS NÃO IMUNOLÓGICOS

Devem ser divididas em: 2 A Reações dependentes do indivíduo 2 B – Reações dependentes da droga

2 A Reações dependentes do indivíduo Efeito Cumulativo (superdose)

O efeito cumulativo da droga ocorre por ter sido ultrapassado, em curto prazo ou após administração prolongada (efeito cumulativo), o limite de tolerância orgânica individual. Podem ocorrer devido ao acúmulo de drogas nos órgãos excretores, doenças ou deficiência enzimática. Sendo assim existe a possibilidade de ocorrer em qualquer indivíduo, porém alguns são mais rapidamente afetados e outros apresentam um organismo mais resistente aos efeitos da superdose.

Intolerância

Representa uma variação biológica da resposta normal. O indivíduo apresenta uma resposta farmacológica normal quando utiliza pequenas doses, porém apresenta manifestações intensas tóxicas anormais à dose terapêutica considerada ideal. A intolerância tratase, portanto de uma alteração quantitativa. Um exemplo de intolerância seria a aspirina provocando hipotermia prolongada.

Idiossincrasia

É uma resposta individual diferente da ação terapêutica normal da droga. Tratase de uma alteração qualitativa. Um exemplo de idiossincrasia seria o desencadeamento de agitação por prometazina, droga normalmente sedativa.

2 B – Reações dependentes da droga

Efeito Colateral ou secundário.

São reações diferentes da ação terapêutica primária esperada e podem ser extremamente indesejáveis. Como exemplo a Talidomida e seus efeitos teratogênicos. Porém alguns efeitos colaterais fazem parte da ação farmacológica normal da droga, mas representam ações secundárias e não terapêuticas da droga. Muitos dermatologistas utilizam estes efeitos secundários de algumas drogas para beneficiar duplamente alguns pacientes. Um grande exemplo é a hidroxizina, que tratase de um antihistamínico (efeito primário) sedativo(efeito secundário ou colateral), excelente para distúrbios alérgicos que estejam promovendo privação do sono.

Desequilíbrio Ecológico

O desequilíbrio ecológico ocorre quando utilizamos uma dose excessiva de uma droga, ou um medicamento excessivamente forte para um específico problema ou por um longo tempo. O exemplo clássico de desequilíbrio ecológico é a utilização de antibióticos de largo espectro interferindo na flora intestinal podendo causar: enterocolites pela formação de raças de estafilococos resistentes; deficiência de Vitaminas do complexo B, pela destruição de bactérias responsáveis pela síntese desta vitamina e, monilíase, pelo desenvolvimento de fungos do gênero Cândida.

Interação de drogas

Nos dias atuais é freqüente a utilização pela maioria da população de mais de um medicamento simultaneamente. Sendo assim tornase de extrema importância conhecer as drogas e suas interações prováveis. Esta interação pode promover uma inibição, aumento(sinergismo) ou diminuição(antagonismo) da ação farmacológica desejada. O antagonismo, por diminuir o efeito da droga poderá dificultar o resultado terapêutico esperado. Já o sinergismo poderá potencializar o efeito desejado bem como promover maiores reações adversas. Além do antagonismo e do sinergismo pode ocorrer sérias reações adversas. Exemplos de interação de drogas:

Diminuição da absorção: Ingestão de antiácidos antes de drogas ácidas(aspirina e anticoagulantes orais) Aumento da absorção: Quinina aumenta a absorção das sulfonamidas. Diminuição do efeito: Rifampicina ou Griseofulvina diminuindo o efeito do anticoncepcional. Soma de efeitos: Sedação quando utilizase barbitúricos com antihistamínicos Hipertensão Intracraniana: Associação da Isotretinoína com a tetraciclina.

Interferência de uma droga sobre a excreção de outra droga, aumentando seus níveis circulantes e, por conseguinte, aumentando seus efeitos. É o caso do probenecide em relação à penicilina.

Reação de JarischHerxheimer

São reações ocasionadas pela destruição de grande número de microorganismos pela droga, liberandose produtos tóxicos ou sensibilizantes para o hospedeiro. Desta forma promove exacerbação das manifestações clínicas já existentes, geralmente caracterizadas por fenômenos gerais como febre,calafrios, cefaléia, mal estar geral,edema e adenopatias. Um grande exemplo é o uso medicamentoso de penicilina na sífilis secundaria (após a primeira dose de penicilina benzatina), e o cloranfenicol na febre tifóide e brucelose.

Liberação de histamina

Algumas drogas como a morfina, codeína, atropina e contrastes radiológicos podem promover a liberação de histamina dos mastócitos podendo provocar cefaléia, urticária, hipotensão e broncoespasmo.

Ativação do complemento

A ativação do complemento ocorre na urticária provocada por contrastes radiológicos.

Reações fotoquímicas

Alguns medicamentos apresentam a capacidade de absorver radiações, produzindo quadros clínicos somente nas áreas expostas à luz, semelhantes ao eritema após exposição solar. Drogas que produzem este tipo de reação: demetilclortetraciclina, sulfas e fenotiazina.

Desencadeamento ou exacerbação de doenças

Algumas drogas promovem o surgimento ou exacerbação de doenças Ex: Exacerbação de psoríase por lítio e beta bloqueadores. Exacerbação ou desencadeamento de acne por corticosteróides. Indução de lupus eritematoso por hidralazina.

Teratogenicidade

Algumas drogas apresentam grande capacidade de promover malformações principalmente quando administrados entre a segunda e décima semana de gestação. Exemplos: Retinóides e talidomida.

MANIFESTAÇÕES DERMATOLÓGICAS E PRINCIPAIS DROGAS ENVOLVIDAS

De extrema importância lembrar que uma droga pode causar qualquer tipo de erupção medicamentosa. Consideramos que alguns fármacos apresentam predileção por específicas erupções, porém constantemente surgem novas publicações científicas sobre determinado medicamento promovendo um novo tipo de lesão. A história é imprescindível, devendo ser pesquisado todo o agente terapêutico ingerido, injetado, inalado ou usado topicamente na pele e mucosas.

Erupções Exantemáticas Medicamentosas

As reações exántemáticas ou morbiliformes correspondem a 95% de todas reações cutâneas a drogas (5). As erupções do tipo morbiliforme ou escarlatiniforme iniciamse subitamente 7 a 14 dias após a introdução da droga, sendo então possível que ocorra o início da reação quando já tenha sido suspenso o uso da medicação. As lesões além de eritematosas às vezes são urticadas e com prurido. Pode estar associado com sintomas gerais, como febre, artralgias e cefaléia. Por vezes, a erupção desaparece até mesmo com a continuação do uso do medicamento, atribuindose a regressão dos fenômenos cutâneos ao aparecimento de anticorpos bloqueadores do tipo IgM. Exposições subseqüentes à droga poderão determinar o reaparecimento do processo com igual ou maior intensidade ou poderá não ocorrer erupção alguma.

Principais drogas responsáveis: Sulfametoxazol – Trimetropina Diuréticos Antidiabéticos sulfamídicos Toureias Penicilina DPenicilamina Ampicilina Amoxacilina Estreptomicina Dipirona Diclofenaco Piroxicam Anticonvulsivantes Pirazolônicos Antihistamínicos Sais de Ouro Eritromicina Atropina Cloranfenicol Barbitúricos Tiabendazol Ácido Nalidíxico Captopril

Eritema Pigmentado Fixo

Tratase de uma mácula de coloração vermelhoviolácea, redonda ou oval, com limites nítidos. Porém pode apresentarse como púrpura, urtica ou bolha nas formas mais severas. Há prurido e sensação de queimação. A lesão tende a desaparecer com a suspensão da droga, porém quando ocorrem sucessivas exposições à droga, a pigmentação tende a tornarse permanente e podem surgir novas lesões em outras áreas. As áreas de predileção são palmas, plantas e mucosas. Porém podem ocorrer em qualquer localização. (Fig. 1, 2 e 3) A grande característica desta mancha é que recidiva sempre no mesmo local, ainda que novas lesões possam surgir simultaneamente em outras áreas. A história clínica é a peça fundamental para o bom diagnóstico, pois podemos relacionar a aparência clínica da lesão com as recidivas e o uso do medicamento suspeito. Sendo assim na presença de mancha violácea ou eritematoazulada é fundamental a anamnese minuciosa do paciente. Tratase de uma manifestação cutânea exclusivamente provocada por drogas. Dipirona Salicilatos(Ácido Acetil Salicílico) Fenilbutazona

Tetraciclinas Fenolftaleína Barbiturícos Sulfonamidas(mais freqüentes). Anovulatórios Tetraciclina

Penicilina

Eritema Nodoso O eritema nodoso é caracterizado por nódulos bilaterais dolorosos de

15cm de diâmetro principalmente nas regiões prétibiais. A pele sobre

os nódulos é eritematosa, lisa e brilhante. Os medicamentos estão

entre as causas de eritema nodoso. O tratamento além da

identificação e retirada do agente causal pode ser feito através de

Iodeto de potássio.

Drogas responsáveis:

Sulfonamidas Iodetos Brometos Anticoncepcionais orais Antihistamínicos Penicilina Tetraciclinas Pirazolônicos Salicilatos Fenobarbital Codeína

Eritrodermia Esfoliativa Caracterizase por lesões eritematodescamativas com distribuição

universal (atingindo todo o tegumento), com prurido intenso. Ocorre

ainda comprometimento das unhas e certo grau de alopecia e

adenopatia generalizada, porém discreta.

Drogas responsáveis:

Penicilina

Cloroquina

Nitrofuronas

Fenilbutazona

Sulfonamidas

Arsenobenzenos

Barbitúricos Sais de Ouro Pirazolônicos Ampicilina Aminofilina Alopurinol Iodetos Trimetadione Clorpromazina Antihistamínicos Mercuriais Quinacrina Hidantoína Fenotiazinas Carbamazepina

Fotodermatoses

Alguns medicamentos são extremamente ativos fotoquimicamente provocando erupções eritematosas, eritematopapulosas e vesicobolhosas. Drogas responsáveis: Tetraciclinas Griseofulvina Clorotiazidas Sulfonamidas Ácido paraminossalicílico Furocumarinas Quinina e Quinidina Clorpromazina Tiazídicos Ácido nalidíxico Prometazina Retinóides tópicos

Lesões VésicoBolhosas

As lesões vesiculosas e bolhosas são freqüentemente componentes das erupções por drogas, como ocorre em casos de eritema polimorfo bolhoso, eritema fixo bolhoso, vasculites necrotizantes e outras erupções. Por vezes, porém, vesículas e bolhas surgem como manifestações isoladas de erupções medicamentosas. Nesses casos, surgem bolhas, muitas vezes hemorrágicas, únicas ou em pequeno número, sem qualquer outra alteração cutânea simultânea. As áreas de predileção são em geral, as regiões plantares, palmares e genitais.

Principais drogas responsáveis: Brometos Iodetos Mercúrio Arsênico Salicilatos Fenolftaleína Metais pesados Barbitúricos Penicilina Penicilamina Captopril Fenotiazinas Sulfonamidas Hidantoína Talidomida Bleomicina AINEs

Erupção Bolhosa Fixa à Droga

Tratase de uma variante da erupção fixa à droga e ocorre 30 minutos a 16 horas após a ingestão do agente responsável.

Penfigóide Bolhoso

As reações por drogas induzindo penfigóide bolhoso são similares a condição clínica idiopática, diferem por acometerem mais jovens enquanto o penfigóide afeta mais idosos. Os estudos com imunofluorescência direta e indireta apresentamse similar a forma idiopática com anticorpo IgG direcionado contra um antígeno 230kDa(BPAg1)(3). Principais drogas responsáveis: Ampicilina Captopril Cloroquina Enalapril Furosemida Penicilamina Penicilina PUVA Sulfapiridina Sulfassalazina

Drogas Induzindo Dermatose Bolhosa IgA Linear

A dermatose IgA linear é uma doença bolhosa caracterizada por bolhas tensas que aparecem 24 horas a 15 dias após a inicial administração do fármaco responsável. As bolhas freqüentemente apresentamse com distribuição anular ou circinada. Ocorre devido a um processo autoimune desencadeado pelo uso de uma droga e que promove uma manifestação bolhosa subepidérmica. A imunofluorescência direta demonstra depósito linear de IgA na zona da membrana basal abaixo da lâmina densa.Os anticorpos tipo IgA são direcionados contra colágeno VII(antígeno 250kDa) e BPAg1(antígeno 230kDa). A clínica é semelhante a forma idiopática, com a diferença das reações a drogas provocarem menos lesões mucosas ou conjuntivais que a forma idiopática. Principal droga responsável: Vancomicina(4) Outras drogas responsáveis: Amiodarona Captopril Interferon Interleucina2 Piroxicam Diclofenaco Antibióticos βlactâmicos Fenitoína Furosemida Sulfonamidas Lítio

Lupus Eritematoso Medicamentoso

Existem drogas capazes de provocar quadro clínico indistiguível do lupus eritematoso sistêmico clássico. Algumas drogas são capazes de desencadear a enfermidade ou podem ainda exacerbar doença préexistente. As drogas mais freqüentemente responsabilizadas por produzir lupus eritematoso são a hidralazina e a procainamida. Principais drogas responsáveis: Hidralazina Procainamida Isoniazida Tiouracil Fenotiazina DPenicilamina PUVA Hidantoína Griseofulvina Ácido paraminossalicílico Sulfonamidas Heparina Dorpropamida Betabloqueadores Testosterona Estrógenos Minociclina

Líquen Plano

Tratase de um tipo de farmacodermia que promove erupções com

lesões que demonstram uma acentuação das estrias naturais da

pele,de coloração eritematoviolacea,pruriginosas.

Principais drogas responsáveis:

Quinacrina

Ácido paraminossalicílico

Tiazídicos

Sais de Ouro

Cloroquina

Quinidina

Tiuracil

Arsenicais

Pruridos

Sais de Ouro

Sulfonamidas Barbitúricos Atropina Cloroquina Clindamicina Digital? Insulina Aspirina Codeína Fenobarbital Mercuriais Morfina Pirazolônicos

Púrpuras

Sulfonamidas Barbitúricos Iodetos Meprobamatos Quinina Griseofulvina Antihistamínicos Pirazolônicos Sais de Ouro Clorpromazina Clorotiazida Salicilatos Carbamida

Síndrome de StevensJohnson Sulfadimetoxina? Sulfametoxipiridazina? Barbitúricos Penicilina Pirazolônicos Quinina Clorpromazina Hidantoína Sais de Ouro Ampicilina Novobiocina Síndrome de Lyell Penicilina Fenolftaleína Barbitúricos Sais de Ouro Hidantoína Tetraciclinas Sulfonamidas Sulfonas Alopurinol Fenitoína Cloranfenicol Quinina Pirazolônicos Aspirina Atropina Isoniazida

Urticária

Tratase do segundo tipo mais freqüente de erupção cutânea provocada por droga, representando 5% de todas farmacodermias. A urticária aguda tratase de uma erupção eritematoedematosa transitória, com um ou múltiplas lesões. Penicilinas Cefalosporinas Ácido Acetil Salicílico Pirazolônicos Barbitúricos Opiáceos Fenolftaleína Arsenicais Quinina Salicilatos Efedrina Emetina Ácido paraminossalicílico Antihistamínicos Atropina Morfina Sulfonamidas Fenotiazinas Soros heterólogos Extrato de órgãos Extrato alergênicos ACTH Digital Anestésicos locais Cloroquina Insulina Clindamicina Tetraciclinas Cloranfenicol Estreptomicina Griseofulvina Vacinas

Angioedema

Também conhecido como edema angioneurótico, tratase de uma variante subcutânea da urticária. Tratase de um edema agudo, evanescente e circunscrito que geralmente compromete pálpebras, lóbulos das orelhas, genitais externos ou as membranas mucosas da boca, língua e laringe. Pode ocorrer com ou sem lesões urticariformes e eventualmente pode ser fatal principalmente devido ao edema de glote. Principais drogas responsáveis: Sulfametoxazol – Trimetropin Acetaminofen Ácido Acetil Salicílico Enzima Conversora da Angiotensina(Lisinopril, Enalapril) Amoxacilina Ampicilina Azitromicina Ciprofloxacin Diclofenaco Hidrocloratiazida Penicilina

Vasculites Alérgicas

Penicilina Sulfonamidas Iodetos Pirazolônicos Tiuracil Iproniazida Busulfan Meprobamato Tetraciclinas

Acne

Acne provocada por drogas estão entre as erupções acneiformes. A diferença entre a acne vulgar e a erupção acneiforme medicamentosa é que enquanto na vulgar há presença de comedões na erupção por droga predomina pápulas e pústulas inflamatórias. Caracterizase ainda por ser monomorfa e persistente. Predomina em áreas atípicas como braços e pernas, com menor envolvimento da face. Principais drogas responsáveis: Corticosteróides Lítio Isoniazida Fenitoína Ciclosporina

Eritema Polimorfo ou Multiforme

O eritema polimorfo ou multiforme apresenta este nome devido sua marcada multiformidade. Foi descrito primariamente por Hebra em 1860. Posteriormente Stevens e Johnson descreveram uma forma aguda desta doença com manifestações visuais graves. Tratase de uma síndrome de hipersensibilidade. As lesões podem ser de vários tipos: maculosas, papulosas,vesiculosas, bolhosas e nodulares. Apresentase freqüentemente com formas anulares, circinadas ou “em alvo”, ou com formato de íris. Acomete principalmente a parte superior da face, pescoço, antebraços, pernas e superfícies dorsais das mãos e pés.. As membranas mucosas estão freqüentemente comprometidas. Na etiologia do eritema polimorfo além dos medicamentos incluemse: Infecções Bacterianas, Infecções Virais, Micóticas, por Protozoários,

doenças do colágeno,vacinas,doença maligna interna, gravidez e alterações hormonais. Principais drogas responsáveis: Sulfonamidas Sulfametoxazol – Trimetropin Penicilamina Penicilina Fenotiazídicos Pirazolônicos Fenitoína Hidantoína Tetraciclinas Hidrazina Cloroquina Sais de Ouro Fenolftaleína Acetaminofen Clindamicina Tiazídicos Barbitúricos Griseofulvina Salicilatos Sulfaniluréias Vacinas(BCG,varíola,hepatite B, vacina de rubéolacaxumbasarampo) Ampicilina

Síndrome de StevensJohnson

Em 1922 dois médicos, Stevens e Johnson, descreveram uma síndrome mucocutânea aguda em dois jovens, caracterizada por grave conjuntivite purulenta, estomatite severa, necrose de mucosa e alterações cutâneas tipo eritema polimorfo. Em 1950 foi designada por Bernard Thomas como Eritema Polimorfo Major, pois é uma variação grave e às vezes fatal do eritema multiforme. A Síndrome de StevensJohnson é freqüentemente precedida por um quadro respiratório illness, seguido de 114 dias de severas erosões de no mínimo duas superfícies mucosas, com extensa necrose superficial de lábios e conjuntivite purulenta. Ocorre mais em crianças e adultos jovens podendo eventualmente ser fatal.

Além das drogas outros vários fatores são considerados precipitantes ou desencadeantes como infecções bacterianas, infecções fúngicas, virais, vacinas e irradiaçãoX.

XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

Numerosos medicamentos são capazes de produzir o quadro, sendo mais importantes as sulfas, os anticonvulsivantes e os antiinflamatórios não hormonais. Dentre as sulfas, são particularmente importantes a sulfametoxipiridazina, sulfadimetoxina, sulfisoxazol e, hoje, sulfametoxazol, muito empregado em associações com trimetoprima. Dentre os anticonvulsivantes, a droga mais importante como causa da síndrome de StevensJohnson é a difenilhidantoína e, em se gundo plano, os barbitúricos. Finalmente, com relação aos antiinflamatórios não hormonais, são mais freqüentemente causas da síndrome: os butazônicos, pirazolonas, salicilatos, o ibuprofen e o piroxicam. Os antibióticos: penicilina, ampicilina, tetraciclinas estão menos freqüentemente implica dos na gênese da síndrome. Outros fatores etiológicos têm sido sugeridos: infecções virais e bacterianas, porém, são muito menos importantes que as drogas como causa da enfermidade. Devese assinalar que, nos casos em que há infecção prévia, tornase difícil a identificação da provável causa, pois, em geral, há utilização de medicamentos para tratamento da infecção. Dos agentes infecciosos, são mais importantes os microorganismos do gênero Mycoplasma, particularmente o Mycoplasma pneumoniae. As alterações microscópicas são fundamentalmente epidérmicas com necrose eosinofílica dos queratinócitos, degeneração hidrópica da camada basal e clivagem subepidérmica ou intraepidérmica. As alterações dérmicas são mínimas, tipo infiltrado inflamatório crônico discreto. Na patogenia da doença, admitese a possibilidade de defeitos na metabolização das arilaminas, com produtos intermediários da transformação das drogas, atuando sobre os queratinócitos, ou através de ação tóxica direta ou através de modificações na sua composição antigênica, originando fenômenos citotóxicos via imunidade celular.

Manifestações Clínicas

A erupção cutânea caracterizase por acometi mento cutâneomucoso múltiplo, precedida por sinais prodrômicos de infecção, tais como, febre, cefaléia, coriza, mialgias, artralgias, que podem prolongarse por período de cerca de duas semanas. A área mais acometida é a boca com lesões labiais, linguais e da mucosa oral propriamente dita, surgindo bolhas hemorrágicas ou purulentas que, rompendose, deixam áreas erosivas, recobertas por crostas. Lesões oculares são também extremamente freqüentes, não só com acometimento das pálpebras, mas também, conjuntivite serosa, catarral ou purulenta, uveíte anterior, lesões da córnea e até mesmo panoftalmia. As lesões oculares podem ser suficientemente intensas para resultar em seqüelas graves e até cegueira (Fig. 4819). Outras mucosas podem ser atingidas, mucosa anal e genital, através de uretrites, balanites e vulvovaginites. As lesões cutâneas são do tipo eritema polimorfo, desde máculopápulas até púrpura e bolhas serohemorrágicas, ocorrendo habitualmente em surtos de duas semanas de duração. Lesões sistêmicas viscerais podem existir, tendo sido descritas bronquites, pneumonites, hematúria e necrose tubular aguda.

Tratamento

A hospitalização do enfermo é necessária, com isolamento do paciente para prevenção de infecções e evitar o risco de contato com drogas do ambiente. Cuidados especiais de enfermagem, para limpeza e assepsia das lesões e vigilância contínua do paciente, são necessários. A condição ideal é a internação do doente em unidade de terapia intensiva dermatológica. Sistemicamente, é fundamental a manutenção do equilíbrio hídrico e eletrolítico do doente pelas importantes perdas através da pele e pelas dificuldades de ingestão de alimentos e líquidos. A administração de antibióticos por via sistêmica é fundamental, sendo a escolha destes determinada pelos dados de cultura do material colhido da pele, mucosas, escarro, urina e das hemoculturas. O doente deve ser continuamente submetido a estas culturas, no sentido de se detectar,

o mais precocemente possível, a presença de infecção, que é a complicação mais freqüente e grave. A utilização de corticosteróides é atualmente controversa, predominando, entretanto, entre os autores, a recomendação de sua nãoutilização, por contribuírem para diminuição das defesas antiinfecciosas, favorecendo infecções e septicemias. A única justificativa de sua utilização seria quando introduzidos em fases precoces, em que ainda se constate o aparecimento de novas lesões (indicando doença ainda em progresso), no sentido de se inter romper seu curso. Nestes casos, preconizase o uso de doses altas pelo menor tempo possível. Como o quadro pode ser relacionado a drogas, não se devem administrar medicamentos previamente utilizados pelo enfermo, devendo haver um máximo de restrição medicamentosa, inclusive em relação a analgésicos e antitérmicos. E indispensável o concurso de outros especialistas: clínicos, para o controle hidroeletrolítico dos pacientes; oftalmologistas, para atendimento das lesões oculares; endoscopistas e otorrinolaringologistas, para orientação adequada ao cuidado das lesões de orofaringe. A mortalidade assinalada na literatura varia de 5 a 15%.

Necrólise Epidérmica Tóxica

A necrólise epidérmica tóxica ou síndrome de Lyell é síndrome bolhosa extremamente grave, freqüentemente fatal, desencadeada por drogas, estafilococos patogênicos e outros fatores não determinados. Múltiplos fatores etiológicos são apontados para essa grave dermatose. Levantamentos efetuados têm dividido os casos de necrólise epidérmica tóxica em quatro grupos: 1.Casos com participação causal do Stafilococcus aureus, grupo II, fagotipo 71 — constituem hoje entidade nosológica à parte, a “síndrome da pele escaldada estafilocócica” (SSSS).

  1. Casos com vinculação etiológica a drogas.
  2. Casos mistos, em que existe a associação de infecção e drogas.
  3. Casos idiopáticos, em que não se consegue estabelecer nenhuma hipótese etiológica, mais freqüente em indivíduos idosos, do sexo feminino e podendo ser recidivante. A verdadeira necrólise epidérmica tóxica seria, portanto, relacionada fundamentalmente a drogas, representando a posição extrema do

espectro, que varia do eritema polimorfo minor, eritema polimorfo bolhoso, eritema polimorfo major (síndrome de StevensJohnson) até a necrólise epidérmica tóxica relacionada ao eritema polimorfo major. As drogas são consideradas importantes agentes causais da síndrome, especialmente antiinflamatórios não hormonais, derivados da pirazolona, dipirona, fenilbutazona; alopurinol; sulfas, sulfametozipiridazina, sufadimetoxina, sulfametoxazole, anticonvulsivantes, hidantoínas e barbitúricos. Outros agentes causais apontados, porém de menor importância, são infecções virais, vacinações, radioterapia, linfomas, doença enxerto versus hospedeiro e coagulação intravascular disseminada, que provavelmente, ao lado das septicemias, é um dos mecanismos de morte na síndrome.

Manifestações Clínicas

A erupção cutânea plena é precedida de fase prodrômica com duração variável, caracterizada por malestar geral, febrícula, hipersensibilidade cutânea acompanhada de inflamação superficial de conjuntivas, pálpebras, orofaringe e genitais, às vezes associadamente a distúrbios gastrointestinais. A erupção cutânea propriamente dita iniciase por eritema nas grandes pregas tegumentares, seguindose necrose explosiva da pele. Formamse bolhas flácidas serohemorrágicas com desprendimento de extensos retalhos epidérmicos ao longo de toda superfície cutânea, conferindo ao doente o clássico aspecto de grande queimado. O sinal de Nikolsky está presente exclusivamente na pele lesada. Paralelamente, desenvolvemse lesões mucosas, febre elevada e intensa toxemia. O quadro clínico assemelhase aos casos antigamente descritos como pênfigos agudos e subagudos malignos. Podem ocorrer lesões viscerais, traqueítes, broncopneumonites, hemorragias gastrintestinais, glomerulonefrites e necrose tubular aguda. Existem formas nitidamente transicionais entre a síndrome de StevensJohnson e a necrólise epidérmica tóxica, encontrandose elementos de ambos os quadros presentes e clinicamente imbricados. Estes quadros são também designados por necrose epidérmica disseminada agu da tipo 3, sendo os tipos 1 e 2 correspondentes às formas puras da síndrome de StevensJohnson e necrólise epidérmica tóxica, respectivamente.

Histopatologicamente, a necrólise epidérmica tóxica caracterizase por extensa necrose dos queratinócitos, expressa por necrose eosinofílica da epiderme, clivagem subepidérmica e discreta reação inflamatória dérmica.

N.E.T. e S.S.S.S.

Atualmente, distinguese a necrólise epidérmica tóxica produzida por drogas ou fatores desconhecidos do quadro clínico produzido pela toxina estafilocócica. Este último processo é denominado de Síndrome da pele escaldada estafilocócica ou do SSSS (Staphylococcul Scalded Skin Syndrome). A separação entre NET e SSSS, entidades tão semelhantes clinicamente, obedece a critérios hoje bem definidos. Na SSSS, não existe obrigatoriamente história do uso de drogas, que é a regra na necrólise epidérmica tóxica (NET). Há sempre infecção estafilocócica, em geral, à distância das lesões ou mesmo fora da pele, conjuntivite, otite, infecção de orofaringe ou bacteriemia. Há nítida preferência por crianças, enquanto a NET atinge habitualmente adultos. Há, ainda, clinicamente, aspecto evolutivo, mais peculiar na SSSS. Geralmente, tratase de criança com foco de infecção estafilocócica que começa a apresentar a erupção periorificial na face, que progride para um exantema escarlatiniforme, atingindo pescoço, axilas, regiões inguinocrurais, ao qual seguese o aparecimento de bolhas flácidas, que rapidamente se rompem, surgindo retalhos epidérmicos por toda a superfície corpórea. As mucosas são habitualmente poupadas. O sinal de Nikolsky está presente, não somente nas áreas acometidas, mas também em áreas da pele aparentemente sã. Diferentemente, na NET produzida por drogas, o sinal de Nikolsky está presente exclusivamente nas áreas de pele lesada. Além disso, a evolução na SSSS é mais rápida e a mortalidade muito pequena em relação à NET por drogas. A SSSS nos recémnascidos corresponde ao clássico

Pênfigo bolhoso dos recémnascidos ou Doença de Ritter Von Rittershain. Além das diferenças clínicas há quadro histológico diverso entre SSSS e NET. Na SSSS a clivagem é alta, ao nível da granulosa enquanto na NET a clivagem é subepidermica. Há um método laboratorial para a diagnose diferencial destas afecções. Consta da execução de corte de congelação da lâmina epidérmica descolada de uma lesão recente e exame citológico da exulceração resultante do descolamento epidérmico. Nos casos de origem estafilocócica, a lâmina epidérmica é microscopicamente constituída por estrato córneo e algumas células granulosas, enquanto, nos casos induzidos por droga, em virtude da clivagem subepidérmica, microscopicamente, as lâminas esfoliativas são compostas por toda a epiderme. Em relação ao exame citológico, nas formas estafilógenas, este revela apenas células epiteliais com pequenos núcleos, sem células inflamatórias, e, nas formas provocadas por drogas, além das células epiteliais com grandes núcleos, encontramse células inflamatórias.

Tratamento

O tratamento da NET é absolutamente superponível ao da síndrome de StevensJohnson, sendo obrigatória a internação e isolamento do doente, preferencialmente em unidade de terapia intensiva. É imprescindível não administrar nenhuma droga utilizada pelo doente nos dez dias anteriores à eclosão do quadro e não usar analgésicos, antitérmicos ou sulfas, por eventual falha nas informações obtidas do paciente, pelas suas possíveis relações causais com o processo. Na SSSS, além dos cuidados gerais com relação ao equilíbrio hidroeletrolítico, impõese a antibioticoterapia antiestafilocócica, com antibióticos resistentes à penicilinase, oxacilina, cloxacilina, dicloxacilina, eritromicina ou cefalosporinas. Os corticosteróides são contraindicados.

1.Bologna

2. Moore N, Lecointre D, Noblet C, Mabille M. Frequency and cost of serious adverse drugs reactions in a departament of general medicine. Br. J. Clin. Pharmacol 1998; 45:301308. 3.Smith EP,Taylor TB, Meyer LJ,Zone JJ. Antigen Identification in druginduced bullous pemphigoid. J Am Acad Dermatol 1993;29:879 82.

4. Klein PA, Callen JP. Druginduced linear IgA bullous dermatosis after vancomycin discontinuance in a patient with a renal insufficiency.

J. Am. Acad Dermatol. 2000; 42:31623.