Inicio / Colaboradores / Integración Brasilero-Venezolana / caso de placas de esclerodermia

caso de placas de esclerodermia

DR. JADER FREIRE SOBRAL FILHO
Assunto: ( caso de placas de esclerodermia)

Caros amigos Dermlist –
gostaria de receber sugestões para tratamento de caso, bastante complicado, de um paciente que tem placas de esclerodermia nos membros inferiores há 6 anos e em cima das placas (oito placas) desenvolveram-se úlceras  (foto anexa) 

 esclerodermia01.jpg  esclerodermiao_011.jpg

– Agradeço antecipadamente as susgestões, saudações  –

jaderfreire.jpg

JADER FREIRE SOBRAL FILHO – João Pessoa-PB


RESPOSTAS EM  DERMLIST:

DR. CAIO R. SHWAFATY DE SIQUEIRA
   Assunto: Caso Dr Jader

Olá dermlisters!

Quanto ao caso do colega Jader, gostaria de saber quais tratamentos para controle da esclerodermia já foram administrados a esse paciente, se tem outras comorbidades sistêmicas e se já biopsiou a borda dessas úlceras.

Obrigado,

Caio Roberto
São Paulo-SP

DRA. ROSELI ISFER
    Assunto: (re caso Dr Jader)

Caro Dr Jader,
Acho que estas lesoes merecem nova biopsia
com possibilidade de vasculite
ou pioderma gangrenoso antes de pensar em tratamento.
Dra Roseli S Isfer
Sao Paulo
 
 

 DR. JADER FREIRE
   Assunto: (respondendo a pergunta de Dr. Caio)

AO AMIGO CAIO ROBERTO – O paciente faz uso de Metrotrexate 15 mg por semana – há 1 ano – com melhora das placas que estavam no pescoço – não apresenata comorbidades sistêmicas – as úlceras não foram biopsiadas – mas as placas foram biopsiadas – diagnóstico de esclerodermia. Já fez uso de diversos tratamento tópicos (colagenases, antibióticos…) sem melhora – Agradeço colaboração – um abraço JADER FREIRE

 DR. HELIO MIOT
   Assunto:RE: úlceras em esclerodermia
 
Olá a todos,
as esclerodermias em placas se ulceram
com facilidade, principalmente nos membros, após
traumatismos.
O comprometimento vascular do subcutâneo e dos anexos
retarda o processo de reparo.
Não se deve desconsiderar o risco de CEC nessas úlceras
crônicas.

Nos pacientes que tivemos, observamos melhora
com o uso de pentoxifilina 400 3x/d e curativos oclusivos
como o Duoderm CGF cada 3-4dias.

Quando há muita fibrina ou necrose, o desbridamento cirúrgico, ou
o uso do alginato pode ser útil, mas é muito incomum.

Fisioterapia e hidratação cutânea são profiláticos para a formação
de novas úlceras.

Abraços,

Hélio A. Miot
Professor Assistente Doutor
Departamento de Dermatologia, S/N
Faculdade de Medicina da UNESP
Campus Universitário de Rubião Jr.
18618-000  –  Botucatu – SP – Brasil
http://lattes.cnpq.br/2543633050941005
*******Nao imprima esse e-mail, economize papel, poupe árvores*******
 

 DR. JULIANO SCHMITT
   Assunto:  ÚLCERAS NAS PERNAS
 
 

Úlceras nas pernas:

As úlceras tem fundo limpo, sem sinais de flogismo, ou lipodermatoesclerose, assim como não há sinais de doença varicosa. Dessa forma acredito que as úlceras tenham relação principalmente com a morféia, apesar de as placas já existirem há 6 anos, período em que já deveriam ter regredido.

Se a doença ainda está em atividade, acredito que seria interessante tratá-la com rigor, utilizando metotrexato, ou puva talvez. Porém se as alterações de pele são residuais, trataria a úlcera em si com curativos oclusivos, se há tecido a ser debridado, utilizaria primeira hidrogeis, e após eliminação do tecido desvitalizado, utilizaria curativos hidrocolóides para estimular a granulação. Se mesmo assim não ocorrerem sinais de diminuição da lesão, poderia tentar uma enxertia, ou substitutivos de pele (com esta técnica não tenho experiência).

Quanto a medicações suplementares, tive algumas boas experiências com pentoxifilina.
 
 

Juliano Vilaverde Schmitt

[email protected]
 

DR. JAIRO MESA COCK
    Assunto: escleroderma
 
A propósito de esclerodermia y otras fibrosis… imatinib, parecer superar las limitaciones de los corticoesteroides e inmunosupresores en el manejo de ellas … ya hay varios informes (A new therapeutic avenue for severe systemic sclerosis: imatinib mesylate. Rev Med Interne. 2008 Mar;29(3):173-5. Epub 2007 Jun 21.).

Un saludo,
 

Jairo Mesa Cock
Manizales, Colombia

Acerca de George B. Leal Jr

Deja un comentario

Para casos clínicos, sólo se publicarán comentarios de Suscriptores Especialistas de Salud registrados en nuestra base de datos.

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

 

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies