Pessoal- novo caso

Do alto da montanha, lá em baixo,
descortina-se a cidade…
O sol se foi, por um instante tudo e' escuro…
de repente, a magia se faz!
em minúsculos pontinhos luminosos, cada
fachada de cada casa e cada prédio se assoma, se destaca!
luzes que irradiam, bolas brilhantes que piscam,
tudo e' luz, tudo e' Natal!
Que esta luminosidade contagie, se espalhe,
traga paz, amor, muita alegria e que o espírito de bondade
dAquele mais Supremo impregne nossas almas,
renove nossas esperanças, para que um dia
possamos ser de fatos merecedores de Seu reconhecimento,
de Sua graça….

un gran abrazo em todos que fazem nossas listas!
Um Feliz Natal e um 2008 excepcional!
george b. leal jr
Fortaleza/Brasil 

A continuación caso clínico 

DR. ROBERTO BARBOSA LIMA  
Assunto: alopécia após radioterapia

Caros amigos ,
Atendi uma paciente de 34 anos, que teve um tumor cerebral (astrocitoma) e foi submetida a cirurgia, radioterapia e quimioterapia.  Como resultado da radioterapia houve a formação de uma grande área de alopécia na área tratada.

dsc07614.jpg

dsc07616.jpg

Pesquisei sobre o assunto mas não encontrei
informações sobre se o dano folicular é
definitivo ou se a interrupção do crescimento é apenas temporária.

Gostaria de saber se os amigos têm alguma
experiência com este tipo de situação e qual é o
prognóstico quanto à repilação, assim como
sugestões terapêuticas.  No caso de ser uma
interrupção temporária no crescimento, em quanto
tempo deve começar a repilação?

Abraços a todos,

Roberto Barbosa Lima.
Rio de Janeiro / Brasil


                                         RESPOSTAS

DERMLIST:

1.dezembro.2007:
 
 

DR. JACOB LEVITES
     
Prezado Roberto,
Alopecia pos radioterapia regride em alguns meses mas se formar fibrose é definitiva
Valeria a pena usa a pentoxifilina  400mg/ 3xo dia para evitar a fibrose  e alopecia definitiva conforme relato do Dialogues in Dermatology da AAD:
 

" The question as to whether pentoxifylline could be used to prevent radiation-induced fibrosis was addressed by Aygenc et al in the article "Prophylactic effect of pentoxifylline on radiation complications: A clinical study", published in the March 2004 issue of Otolaryngology Head and Neck Surgery. The authors studied 78 patients who had postoperative radiotherapy for squamous cell carcinomas of the head and neck. Forty patients were randomly assigned to the pentoxifylline group and 38 patients to the control group. Complications of radiation therapy were assessed for each group. Four patients could not tolerate the drug because of either gastrointestinal symptoms or dizziness. Late skin changes, fibrosis, and soft tissue necrosis were more severe in the control group than in the pentoxifylline group. These differences were statistically significant. There were no differences between the two groups for pain or acute skin reactions.
 
 

I would venture that most of us have had the experience of becoming reintroduced to a former acquaintance with whom the prior relationship was only lukewarm. A conversation starts and a closer friendship ensues, making one wonder why things differed long ago. Although pentoxifylline is not yet my new best friend, perhaps I'll rekindle our former relationship, based on Dr. Rosen's advice. "
 

DR. CELSO SODRE
 

Roberto, certamente temos algumas causa para alopecia difusa nesta paciente:
neoplasia + quimioterapia = efluvio,
entretanto na área da radioterapia muitp provavelmente ocorreu depilação definitiva; acredito que repile parcial
e discretamente , entretanto não haverá repilação cosmeticamente aceitável. Sugiro minoxidil e aguardar
durante 12 meses para possivel indicação de procedimentos cirurgicos (redução da area por exerese +
implante).

Abraço

DR. JULIANO GROCK
 

Gostaria de saber o tempo de evolução da imagem com repiação esparsa.
De qualquer forma, consideraria uma biópsia com cortes transversais e avaliação com um cirurgião plástico que tenha experiência
em transplante folicular.

Juliano Grock

DR. LEONARDO MELLO FERREIRA
 

Olá amigos,
… sobre a alopecia pós radioterapia apresentado pelo
Dr. Roberto Barbosa Lima, lembro que nos quadros de radiodermite
existe uma destruição dos anexos cutâneos, sendo que é possível que
essa alopécia seja, pelo menos em grande parte, definitiva. Uma
biópsia poderia ajudar. Se for o caso, acho que uma boa saída seria o
transplante capilar, que funciona até em casos de alopécias
cicatriciais.


em 3. Dezembro. 2007:
 

DR. HELIO MIOT
     Assunto: RE: alopecia pós-radio

Olá Roberto,
a alopecia que persiste por mais de 120 dias após a
radioterapia é forte indicativa de fibrose com dano definitivo.
 
Minha impressão ao ver as fotos é de discreta atrofia na pele subjacente.
 
A indicação é de transplante folicular, mas lembre-se que o leito
pode estar muito danificado pela radioterapia e a "pega" não ser completa.
 
Outro elemento importante é o prognóstico do astrocitoma operado.
Freqüentemente, exigem re-intervenção cirúrgica ou radioterápica.
Nesse caso, as terapêuticas paliativas (próteses) poderiam
ser discutidas.
 
Cordialmente,
 
Hélio A. Miot
Professor Assistente Doutor
Departamento de Dermatologia, S/N
Faculdade de Medicina da UNESP
Campus Universitário de Rubião Jr.
18618-000   –   Botucatu – SP
http://lattes.cnpq.br/2543633050941005
*******Nao imprima esse e-mail, economize papel, poupe árvores*******Hélio Miot


Comentario:
Prezados amigos de piel l,
na nossa ultima edicao nosso colega Roberto Barbosa Lima escreveu,
incluindo-os em seu agradecimento:

"Caros amigos (..)

Obrigado pelas considerações sobre o caso da paciente com alopécia após
radioterapia, que me foram muito úteis!

Juliano, a evolução é de cerca de 2 meses e ainda não há repilação, a não
ser nas áreas periféricas da região tratada. Ali, os pêlos estão crescendo
fortes, o que me deixa menos otimista em relação ao centro, onde não há
qualquer sinal de repilação. Os pêlos que ainda são vistos nesta área foram
aqueles que não cairam.

Espero poder trazer um feedback posterior, mas a paciente está se mudando
para outro país em abril, para morar durante 2 anos.

Um grande abraço a todos,

 

Roberto Barbosa Lima.

Acerca de George B. Leal Jr

6 comentarios

  1. Coincido con algunos de los colegas brasileros que creen que la alopecia es definitiva; lo más indicado es el transplante pilar. Tengo experiencia con dos casos muy parecidos, uno de ellos fué igual el presentado, le practiqué dos sesiones de transplante con el método de “slit grafts”, y otro en una paciente que tuvo un Dermatofibrosarcoma grande en la región occipital al que le colocamos un injerto de piel y luego en el injerto se practicaron los transplantes pilares con buen resultado.

  2. Estos cuadros de alopecia cicatrizal, son un problema serio tanto para el dermatólogo como para el paciente. He tenido dos o tres casos de severa foliculitis queloideana de la nuca, a los cuales se le practicaron resecciones parciales de los plastrones más infiltrados y dolorosos, seguido de radioterapia inmediata para evitar nuevas cicatrizaciones queloideanas, con el consecuente resultado de apreciables áreas de alopecia definitiva. Paradójicamente los pacientes se sentían muy felices porque preferían estar sin pelos que vivir con el cuadro de un acné queloideano que, además de las molestias por todos conocidas, le producían limitación para flexionar la cabeza.

    La variante terapeútica que propone el Dr. Sardi, con los injertos pilares me pareció muy adecuada, más si se efectúan sobre piel sana injertada del propio paciente, ya que se evitaría la severa fibrosis de la radioterapia la cual representa un obstáculo para el éxito de los injertos.

    Como bien lo refiere el colega Dr. Jacobo Levites, aunque estas alopecias cicatrizales no son tan frecuentes valdría la pena la utilización de la pentoxifilina 400 mg, en el intento de evitar, aunque sea parcialmente, la fibrosis definitiva inducida por la radiación, de acuerdo al reciente informe de Dialogues in Dermatology de la AAD.

    Un saludo cordial
    Dr. Guillermo Planas Girón
    Dermatología-Dermatopatología
    Caracas-Venezuela

  3. Prezado Roberto,
    muito interessantes as opinioes ja emitidas por nossos colegas. Gostaria apenas de dar uma pequena sugestao (e ate conhecer o pensamento de todos os colegas): ao usar a pentoxifilina, pelo menos na minha observacao, sugeriria voce comecar aos poucos, para a pciente “ir se acostumando” com a droga, pois com estas doses mais altas a grande maioria de meus pacientes simplesmente abandonam o tratamento (e nunca mais querem ver este remedio na vida!), devido aos efeitos colaterais. Interessante e’ que parece que os idosos toleram melhor. Vejo idosos tomando os 1200 mg ao dia de pentoxifilina, sem queixas. Tenho entao dado um comp. dia sim dia nao alguns dias, depois 1 ao dia, ate a dose ideal…
    um abraco,
    george b leal
    fortaleza/brasil

  4. Prezados amigos de piel l,
    na nossa ultima edicao nosso colega Roberto Barbosa Lima escreveu, incluindo-os em seu agradecimento:

    “Caros amigos (..)

    Obrigado pelas considerações sobre o caso da paciente com alopécia após radioterapia, que me foram muito úteis!

    Juliano, a evolução é de cerca de 2 meses e ainda não há repilação, a não ser nas áreas periféricas da região tratada. Ali, os pêlos estão crescendo fortes, o que me deixa menos otimista em relação ao centro, onde não há qualquer sinal de repilação. Os pêlos que ainda são vistos nesta área foram aqueles que não cairam.

    Espero poder trazer um feedback posterior, mas a paciente está se mudando para outro país em abril, para morar durante 2 anos.

    Um grande abraço a todos,

    Roberto Barbosa Lima.

    un gran abrazo,
    george

  5. Prezados colegas,
    ai vai um “update ” de caso clinico exposto ha algum tempo, pela Dra Isabela Fronza
    estou em Barcelona, trouxe meu pai para uma revisao medica, gracas a Deus, esta’ tudo otimo!
    ai vai o texto da colega:
    DRA. ISABELA FRONZA
    Assunto: Resolução do caso das verrugas virais filiformes.

    Amigos.
    Hoje tirei fotos daquele paciente que estava com inúmeras verrugas virais
    filiformes há alguns meses.

    um abraco em todos,
    george

    Houve resolução completa, total do quadro.

    Foi usado Aldara ( 1 caixa ) e depois foi feito eletrocoagulação das
    maiores, crioterapia das menores ( duas sessões) e mantido em casa
    manipulação de ac. Salicílico 17% gel de noite.
    Há 30 dias ele não vinha em consulta. Voltou hoje com a surpresa de não ter
    mais nenhuma lesão.
    O que será que funcionou?
    De qualquer forma, agradeço a todos os colegas pelas sugestões.
    Abraço.
    Dra. Isabela Fronza – Curitiba PR

  6. Muito grato a todos os amigos que colocaram tao belas mensagens de Natal, que trazem consigo tanta energia, nesta epoca tao especial!
    Um forte abraco em todos,
    George
    (no momento, desde Barcelona, Espanha, onde fico mais alguns dias)

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies